sábado, 30 de março de 2013

Não mesmo.

Eu sou mulher.


Eu sou solteira, jornalista, namoradeira, cara de pau, esquentada, inconstante.

Alguns de meus melhores amigos são gays.


São gays algumas das melhores pessoas que conheci na vida.
Mas nem todas. Conheço pessoas maravilhosas que são heterossexuais. Tenho amigos maravilhosos que não são gays. Tenho ainda amigos ótimos que eu não sei se são hetero ou gay. 
Tenho um namorado negro. Minha mãe tem origem alemã. Meu pai tem uma mistura de português, índio e eu sei lá mais o que. 



Eu sou brasileira. Eu sou cristã. Eu conheço muita gente que não é cristã, mas não deixa de ser gente, e gente boa. 
Eu sou espírita. Eu tenho amigos espíritas, católicos, evangélicos, judeus, ateus, exotéricos e agnósticos. 
Eu sou humana. E todos os "rótulos" ou características que eu citei acima não fazem com que ninguém deixe de ser humano. 


Eu sou mulher, brasileira, heterossexual, espírita, branca, colorada, mas eu poderia ser homem, gay, de qualquer país, de qualquer religião, negra e gremista. E tenho certeza de uma coisa: